terça-feira, 11 de outubro de 2016

5 SINAIS DE QUE SUA CASA ESTÁ INFESTADA POR OBSESSORES E COMO SAIR DESSA SITUAÇÃO:

Seu lar deixou de ser um lugar reconfortante? Não consegue dormir direito, e não encontra o verdadeiro sossego em lugar nenhum? Sente culpa por coisas que aconteceram há muito tempo e não consegue se libertar?

Nem sempre somos culpados por alguns males que nos acontecem, nem sempre nossas escolhas são vilãs como dizem muito por aí. A perseguição gratuita existe e é muito mais forte do que as pessoas imaginam. Não falo aqui somente de opressores espirituais, falo também das energias nocivas que mandam na sua direção e na direção de sua família e você nem se dá conta.

Pode ser um espírito que fica na sua casa se sentindo dono dela, ou alguém encarnado que você se desentendeu e a pessoa ficou com ódio de você ou de um dos seus familiares. Quando alguém te odeia, cria uma conexão negativa com você, envia constantemente energias negativas na sua direção, isso causa aqueles acontecimentos sem explicação, doenças sem explicação, azares que insistem em permanecer.


Preste atenção em alguns sinais bem típicos de lares que sofrem com esse tipo de obsessão, mas não se preocupe, se é o seu caso, existe como combater e se livrar para sempre desse mal.
1 – Sempre tem alguém doente em casa

Não existe uma folga na sua família, quando não é um é o outro. Infecções e inflamações, acidentes, despesas com remédios, enfim, hospitais e laboratórios fazem parte da sua rotina.
2 – Brigas e desentendimentos constantes

Ás vezes dá a impressão que ninguém concorda com nada, discutem, ficam de cara virada por dias, semanas ou até meses. Fazem as pazes até a próxima discussão, e começa novamente.
3 – Falta de prosperidade financeira

Na sua casa você é um exímio equilibrista, o orçamento nunca fecha e as contas não dão folga. Se consegue ganhar mais em um mês, aparece uma despesa extra. Sair, comprar roupas e sapatos, viajar não fazem parte dos seus planos já tem algum tempo. Ninguém consegue ter ideias para sair do sufoco.
4 – Vícios

O que vem a mente quando falamos de vícios é sempre drogas ou alcoolismo, mas existem alguns que chegam a ser tão nocivos quanto estes como: Reclamações e vitimismo exagerados, compulsão por comida, compulsão exagerada por limpeza, fofocas e maledicência, tristeza e ódio, remoer o passado como se não existisse futuro, medo, hipocondria, e gostar de provocações e brigas.

A tristeza e o vitimismo são comportamentos viciantes e nesses casos o viciado não percebe que é uma pessoa negativa. A culpa pelos problemas e pela sua tristeza é de qualquer um ou qualquer circunstância, menos dele.



O medo muitas vezes vira um amigo, a pessoa apega-se a ele e acha que se soltá-lo, algo de ruim vai acontecer, por isso se afasta de muitas coisas e acredita que isso lhe trará proteção.

No caso da compulsão por comida, o viciado usa ela como remédio para sua dor ou apatia. Nem sempre a pessoa que tem essa compulsão está acima do peso, e em alguns casos a pessoa tem o paladar prejudicado, não sente o real sabor da comida. Não consegue apreciar o prazer da refeição, come muito e come rápido.

Todos estes vícios são tão difíceis de tratar quanto o alcoolismo e o vício em drogas, além da remoção de obsessões é preciso tratamento especializado.
5 – Pensamentos Impróprios e Negativos

É como se alguém colocasse lenha na sua fogueira interna, ou na fogueira interna de alguém da sua família. Esses pensamentos causam medo, paranoia, desconfortos e mal-estar, além de cansaço. Esses pensamentos vem de repente sem que exista um controle ou filtro, parecem vir de dentro, mas na realidade vem de fora. A pessoa começa a ficar paranoica, acha que ninguém gosta dela, falam mal pelas suas costas, obsessores gostam de causar isso em suas vítimas.

Muitas pessoas passam por esse processo, poucas conseguem enxergar, muitas se deixam contaminar pois a família acaba se tornando tóxica.
Como sair?

Primeiro passo – Comece a praticar sua fé dentro de casa.

Não importa a sua religião, faça orações e leitura do evangelho todos os dias. Se algum familiar não gosta, tenha bom senso, faça na ausência dele, não provoque. Se você tentar impor sua fé a um familiar que não acredita, só vai conseguir mais brigas. Faça no mesmo horário todos os dias. Faça do jeito que der, sem desculpas.